EnglishFrenchItalianPortugueseSpanish

CULTURADOAM

Bboy amazonense vai representar o Brasil em Cannes

O amazonense Ediomar Queiroz, o Bboy Tchantcho, vai representar o Brasil no Festival Break The Floor, que acontecerá no próximo domingo (6/2), em Cannes, na França.

O artista, natural de Manacapuru, conhecido na cena da cultura Hip Hop por seus movimentos de grande impacto (power moves e saltos mortais) foi selecionado para participar do evento, ao lado dos BBoy’s Mascot, de Belém do Pará, e Klesio, de Brasília, que formam o time brasileiro no campeonato, que será realizado no Palais des Festivals et des Congrès, palco de grandes festivais internacionais, como de cinema e de publicidade. 

Tchantcho destaca a responsabilidade de representar o País e o incentivo para outros artistas da região.

“O sentimento é de gratidão por representar o Brasil, mas também é uma responsabilidade muito grande carregar o nome do nosso País em uma competição internacional. Passa na cabeça tudo o que a gente vem lutando, batalhando todos os dias e que está dando certo”, afirma. “E isso significa não só para mim, mas para todos os Bboys e dançarinos do Amazonas, pois antes era quase  impossível a gente participar de competições fora do Brasil e agora eles podem olhar pra mim, saber que uma pessoa de Manacapuru, do interior, conseguiu e que eles também são capazes e podem conseguir”, pontua. 

O produtor e articulador cultural Maykon Andrade, destaca que essa é mais uma grande oportunidade de atrair os olhares para os talentos do Amazonas, uma vez que o break dance será uma modalidade olímpica a partir das Olimpíadas de Paris, em 2024.

“Ter essa conexão é de suma importância para o crescimento e fortalecimento da cultura Hip Hop. O Jasim Youkan, idealizador do festival, enviou o convite e, graças ao apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, o Tchatcho poderá nos representar nesse grande evento”.

A participação de Tchantcho no evento tem apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa.

Você pode gostar