[revolution_video_player settings_id=’2′]

A primeira ideia concreta de construção de um Teatro em Manaus surgiu em 1881. O deputado Antonio José Fernandes apresenta um projeto de Lei argumentando que “a cidade não dispunha de edifício próprio para representações teatrais, cuja distração é incontestavelmente de utilidade e muito concorre para a civilização da nossa sociedade” e “que a província se acha em condições de satisfazer esta necessidade, que também concorre para o embelezamento da cidade”, dizia o documento.

Em junho de 1881 é sancionada a Lei autorizando a construção de um teatro de alvenaria e aquisição do terreno; em maio de 1882 são chamados os concorrentes para apresentação do projeto de arquitetura e orçamento, fixado inicialmente em 250 contos de réis.

A pedra fundamental do Teatro só foi lançada em 1884. As obras estiveram paralisadas de 1886 a 1893, quando foram retomadas pelo governador Eduardo Ribeiro que, apesar do esforço, não chegou a inaugurá-lo.

Depois de muitos entraves políticos, administrativos e técnicos, o Teatro Amazonas foi finalmente inaugurado em 31 de dezembro de 1896, embora sem estar ainda totalmente concluída a construção e decoração.

A construção do Teatro Amazonas, ao final do século XIX, só foi possível graças ao período conhecido na história socioeconômica brasileira como Ciclo da Borracha. Somente a privilegiada situação econômica da Província do Amazonas, na época propiciada pela exportação da borracha, tornaria possível a implantação na cidade de projetos tão audaciosos, dos quais o Teatro é o exemplo mais expressivo. Também contribuiu a visão do

governador Eduardo Ribeiro, que deu impulso à nova feição urbanística de Manaus.

O Teatro Amazonas, desde a sua inauguração, viu apresentar-se no seu palco todo tipo de espetáculo: óperas, operetas, musicais, peças de teatro, shows de cantores líricos e populares, festivais, grupos de dança, bandas de música, corais, orquestras e tantos outros.

Apresentações e curiosidades 

Desde 1997, o Teatro Amazonas voltou a apresentar grandes espetáculos, destacando-se o Festival Amazonas de Ópera. Além dele, vários outros foram produzidos ao longo da primeira década do novo milênio e o Teatro é palco privilegiado dessas manifestações: Festival Amazonas de Jazz, Festival Amazonas de Dança, Festival Amazonas de Música, Festival de Teatro da Amazônia e o Amazonas Film Festival.

A variedade de artistas também é grande, abrangendo desde os locais, aos internacionais, já tendo passado pelos palcos do Teatro artistas consagrados como o compositor Heitor Villa-Lobos, que se apresentou em 1911, e a bailarina Margot Fonteyn. Vale também citar a apresentação do tenor José Carreras, em 1996, nas comemorações do centenário do Teatro. Curiosamente, o tenor Luciano Pavarotti também cantou no palco do Teatro Amazonas, mas apenas para aqueles que o acompanhavam em uma visita turística ao Amazonas. Ele queria experimentar a acústica.

Palco de manifestações artísticas, o Teatro também serve de cenário para diversos eventos que se realizam no seu entorno e já foi usado muitas vezes como cenário de filmes, a exemplo de “Fitzcarraldo” (1982), dirigido por Werner Herzog, “A Selva” (2002) e a minissérie da TV Globo, “Amazônia”.

Especificações: Hora e valores

Aberto de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos, das 9h às 14h.

Entrada: R$ 20,00 a inteira, e R$ 10,00 a meia. Obs: Amazonenses não pagam entrada.

Endereço

Av. Eduardo Ribeiro, 659 Centro, CEP: 69.010-001.

Contato

Telefones: (92) 3622-1880 / 3622-2420

Bilheteria: 3232-1768

Email: direcao_ta@culturamazonas.am.gov.br

Acessibilidade

Acessibilidade para deficientes físico, visual e auditivo